O município de Sobral, localizado no noroeste do Estado do Ceará, com quase 200 mil habitantes, distando 720 quilômetros de Serra Talhada, igualmente encravada no semiárido nordestino, passou por uma revolução cultural na forma de gerir a Educação que impressiona o Brasil e que chamou minha atenção, pois, por duas vezes consecutivas, se tornou a melhor educação básica do nosso País e em 12 anos saiu de uma nota no IDEB de um pouco mais que 4,0 para incríveis 9,1. Desde junho passado planejava conhecer o projeto de Sobral, terra de Renato Aragão e do músico Belchior e outros tantos nomes destacados no cenário nacional, e na última semana de novembro estive lá e mergulhei no mistério do sucesso da gestão municipal da educação desse município cearense.

O ponto principal do sucesso nos índices do IDEB é certamente a mudança de mentalidade e cultura na escolha dos diretores e coordenadores das escolas municipais, todos, sem exceção, são escolhidos por processo seletivo, em que o mais preparado vence por mérito e tem direito e a honra de exercer as diretorias e coordenações, deixando de lado eleição de escolha de diretor e indicação política de aliados para compor os mais altos cargos das escolas, como acontece na maioria dos municípios do País. A educação é levada a sério e privilegia o mais competente para gerir o dia a dia dos alunos, sempre com metas a serem cumpridas, sob pena de perderem o cargo.

Questão importante é a preocupação com a qualificação dos professores, através de um centro somente para atualizar e requalificar todos os professores da rede, sobre o que devem aplicar para os alunos, tudo de forma continuada e permanente, corrigindo e uniformizando o ensino constantemente. O foco da educação é na ciência, tecnologia, inovação, com aulas de robótica, astronomia, sem deixar de observar a obrigação de ensino de qualidade na matemática e língua portuguesa. Além, compromisso com a leitura desde antes dos alunos cursarem o 1º ano do fundamental I (alfabetização), sendo estes bases fundamentais para colher os resultados apresentados pelos índices do IDEB.

Além disso, os alunos são avaliados pela própria secretaria de educação do município, através de provas que medem os conhecimentos de todos os alunos da rede municipal, sem que precise apenas aguardar as avaliações realizadas pelo Ministério da Educação.

RECURSOS

Outra grande questão é sobre o financiamento da educação e de quais recursos o município dispõe para manter a educação neste nível. Mesmo com mais de 33 mil alunos, o que nos leva a falsa impressão de que se precisa de muito dinheiro, Sobral se supera e faz milagre de fazer muito com pouco recurso, pois, igualmente a Serra Talhada, que possui o número aproximado de 12 mil alunos, não possui riquezas naturais fartas, como petróleo, gás, minérios que confiram recebimento volumoso de rendas extras e nem arrecadação diferenciada de recursos próprios, já que se encontra numa região de semiárido e com população pobre, e os recursos disponíveis são basicamente os repasses do FUNDEB pelo Governo Federal e o aporte obrigatório do município de 25%. Além disso, os professores recebem o piso
nacional acrescido de gratificações que são pagas de acordo com os resultados positivos da educação.

A forma como vi ser tratada a educação básica em Sobral deve ser espelho para todos os municípios do Brasil e me deu esperança de que podemos fazer revolução com muita gestão, mesmo com poucos recursos, para que Serra Talhada continue atingindo a meta, e que também beba da mesma água e avance para além da posição 3.393 no Brasil, em 2015, e da nota 5.1, em 2017, pois temos com Sobral, além das afinidades históricas, geográficas, climáticas e culturais, proporcionalmente, muitos desafios com uma rede de ensino municipal de muitos alunos, muitas escolas e a mesma base de financiamento da educação do município cearense.

via blog O farol de notícias.