Nova pagina 1

Polícia divulga imagem de funcionário terceirizado de escola onde a garota Beatriz foi morta e o considera foragido

Por G1 PE

Alisson Cunha é procurado pela polícia por apagar imagens que poderiam identificar suspeito de assassinar menina Beatriz Mota em Petrolina, no Sertão de PE — Foto: PCPE/Divulgação

Alisson Cunha é procurado pela polícia por apagar imagens que poderiam identificar suspeito de assassinar menina Beatriz Mota em Petrolina, no Sertão de PE — Foto: PCPE/Divulgação

A Polícia Civil divulgou, nesta quarta (12), imagens de um funcionário terceirizado da escola onde ocorreu o assassinato da menina Beatriz Mota, em 2015, em Petrolina, no Sertão do estado.

Alisson Henrique de Carvalho Cunha é procurado pela polícia por apagar as imagens das câmeras de segurança do colégio, o que teria atrapalhado as investigações.

A prisão preventiva dele foi decretada nesta quarta (12) pela Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Ele foi indiciado por falso testemunho e fraude processual. Como não foi encontrado em casa e ainda não se apresentou à polícia, ele é considerado foragido. (Veja vídeo abaixo)

Justiça decreta prisão de funcionário terceirizado de escola onde menina Beatriz foi morta
NE2
Caso Beatriz: Justiça decreta prisão de funcionário do colégio onde menina foi assassinada

Caso Beatriz: Justiça decreta prisão de funcionário do colégio onde menina foi assassinada

Aos 7 anos, a garota Beatriz foi morta com 42 facadas durante uma festa de formatura do Colégio Maria Auxiliadora, em Petrolina, no dia 10 de dezembro de 2015. Três anos depois do assassinato, ninguém foi punido e o caso continua sem esclarecimento.

Segundo a delegada responsável pelo caso, Polyanna Neri, as imagens que foram apagadas por Alisson poderiam ajudar a elucidar o caso.

“As imagens poderiam mostrar o suspeito que participou do homicídio. Ele circulou no colégio no ano de 2015, justamente no dia 10 de dezembro. E essas imagens foram apagadas durante o período que ele circulou, que era o período da noite”, afirma a delegada.

Ainda segundo a delegada, nos depoimentos colhidos durante os três anos de investigação, Alisson afirmava que não teria apagado nenhuma imagem. No entanto, por muito tempo teria se negado a entregá-las à polícia.

“[Dizia] que não poderiam ser entregues naquele momento. Marcava um dia, marcava outro. Até que aconteceu o dia da apreensão de todo o aparelho. E aí descobriu-se que [as imagens] tinham sido apagadas”, conta a delegada.

Informações foram divulgadas pela polícia durante coletiva de imprensa nesta quarta (12) — Foto: PCPE/Divulgação

Informações foram divulgadas pela polícia durante coletiva de imprensa nesta quarta (12) — Foto: PCPE/Divulgação

A polícia divulgou, ainda, um vídeo gravado pelas câmeras de segurança da escola na tarde do dia 4 de janeiro de 2016, quase um mês após o crime. Nas imagens, Alisson aparece entrando na sala de controle das câmeras de segurança. A polícia acredita que os vídeos do dia do crime foram apagados nesse momento.

“Ele tem uma empresa de informática e prestava serviços à escola. Ele mesmo ia lá. Além dele, apenas uma outra funcionária teria acesso às imagens”, conta a delegada. Não foi informado se essa outra funcionária também está sendo investigada, pois o caso está sob segredo de Justiça.

“Essa [prisão] preventiva é um recomeço para tudo. Nós vamos trabalhar tudo novamente para buscar encerrar todas as linhas de investigação”, diz a delegada.

Família da garota Beatriz protestam por prisão de funcionário terceirizado de escola

Família da garota Beatriz protestam por prisão de funcionário terceirizado de escola

Protesto

Nesta quarta-feira (12), familiares de Beatriz Mota estiveram no Recife para acompanhar o julgamento do recurso que pedia a prisão de Alisson. Os pais da garota levaram faixas e cartazes para a frente do tribunal, no bairro de Santo Antônio, no Centro da cidade. (Veja vídeo acima)

O grupo, que viajou de Petrolina para a capital pernambucana, fechou a Rua do Imperador Pedro II durante 10 minutos.

Beatriz Angélica Mota foi assassinada a facadas durante festa na escola onde estudava em Petrolina, no Sertão de PE — Foto: Arquivo pessoal/Família

Beatriz Angélica Mota foi assassinada a facadas durante festa na escola onde estudava em Petrolina, no Sertão de PE — Foto: Arquivo pessoal/Família

Entenda o caso

Beatriz Angélica Mota foi assassinada na quadra onde acontecia a solenidade de formatura das turmas do terceiro ano da escola. A irmã da menina era uma das formandas.

A última imagem que a polícia tem de Beatriz foi registrada às 21h59 do dia 10 de dezembro de 2015, quando ela se afasta da mãe e vai até o bebedouro do colégio, localizado na parte inferior da quadra.

O corpo da criança foi encontrado atrás de um armário, dentro de uma sala de material esportivo que estava desativada após um incêndio provocado por ex-alunos do colégio.

Faça o primeiro comentário a "Polícia divulga imagem de funcionário terceirizado de escola onde a garota Beatriz foi morta e o considera foragido"

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*